Grupo de apoio REVIDE

BANNER REVIDE

REVIDE

Restaurando Vida de Dependentes Químicos e Co-dependentes

 

É para a LIBERDADE que CRISTO nos libertou. Permaneçam firmes, não se deixem prender de novo ao jugo da escravidão”.

Gl 5.1

 

O QUE É GRUPO DE APOIO

“É um grupo composto de pessoas que reconhecem que precisam de ajuda e estão comprometidas a reunirem-se regularmente para superarem problemas que, individualmente, não conseguiriam resolver”

(David Kornfield)

 

FINALIDADES DO GRUPO DE APOIO

  • Oferecer apoio às necessidades e ansiedades de co-dependentes (familiares, amigos, etc.)

  • Oferecer apoio as necessidades e ansiedades de dependentes químicos

  • Contribuir para a serenidade no processo de recuperação

  • Colaborar com a pessoa na conscientização de seu problema.

  • Ajudar a pessoa a trabalhar seus sentimentos, caráter, vínculos afetivos, socialização, etc.

  • PREVENÇÃO A RECAÍDA

O QUE NÃO É GRUPO DE APOIO

  • Grupo de terapia;

  • Grupo supervisionado por um professor;

  • Grupo de aconselhamento;

  • Lugar de terapia profissional;

 
PREVENÇÃO DA RECAÍDA

É um conjunto de habilidade e modificações de estilo de vida da pessoa para evitar uma recaída. Prevenção da Recaída é um programa de autocontrole e manutenção que visa:

  • aprender habilidades e estratégias de enfretamento para lidar com as situações de risco;

  • desenvolver amplas modificações do estilo de vida.;

  • modificar crenças e expectativas a cerca do uso de álcool;

  • identificar e antecipar as situações de risco para recaída.

 

O objetivo primário é ensinar as pessoas que estão tentando mudar seu comportamento de ingestão de SPA (substância psicoativas) : Identificar, antecipar, lidar, com as pressões e problemas que podem leva-los a uma recaída.

Os fundamentos do trabalho são: situação de alto risco e estratégias de manejo disponíveis.

 

NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA RECAÍDA A PESSOA NÃO É PASSIVA, É O AGENTE ATIVO DA SUA RECUPERAÇÃO.

 

CONTRIBUIÇÕES QUE A IGREJA PODE DAR NA RECUPERAÇÃO

  • Acolher bem (com amor e respeito).

  • Quebrar preconceitos.

  • Informar-se sobre a Co-dependência.

  • Compreender o processo de tratamento.

  • Criar programas de apoio.

 

CO-DEPENDÊNCIA:

Família Co-dependente é aquela que perde o controle familiar na tentativa de controlar o comportamento e bem – estar do outro (a).

EMOÇÕES MAIS SENTIDAS PELA FAMILIA

  • Culpa

  • Raiva

  • Frustração

  • Vergonha

  • Dor

  • Medo e insegurança

  • Solidão

 

COMO AJUDAR:

  • Ouvir

  • Valorizar o que a pessoa diz

  • Respeitar seus sentimentos, pensamentos e experiências pessoais

  • Orar com a pessoa...

  • Encaminhar para: Grupo de Apoio

Obs. SIGILO – é essencial; a pessoa deve ser preservada.

 

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*

 

D.Q

“Se o problema das drogas, hoje, tem merecido cada vez mais atenção das autoridades e da sociedade, ele não é, contudo, um privilégio do nosso tempo. A história da humanidade nos fornece o registro de uso de substâncias psicotrópicas desde os primórdios da civilização. Mas é incontestável que no século XX as drogas constituem-se um problema psicossocial pela disseminação incontrolável de seu consumo, o que faz com que toda a sociedade mundial reflita sobre esse problema, na procura de soluções que, se não eliminam, pelo menos amenizam seus efeitos.” (COSTA, Priscila Fernandes. As Drogas perante a lei).

 

O assunto drogadição, portanto, implicam no encontro entre uma pessoa, a droga acessível e a pressão do contexto sócio-cultural.

Não se elimina o consumo de drogas, nem seus abusos: elas estão ai e se oferece a quem as quiser. Aceita-la é uma possibilidade humana na qual cada um pode optar, mas pela qual tem que aprender a se responsabilizar.

 

CONCEITOS ATUAIS EM DEPENDÊNCIAQUÍMICA

DROGA – Qualquer substância química ou natural que, introduzida no organismo, produz mudança no funcionamento deste, tanto física como psicológica (OMS).

DROGA PSICOATIVA - Toda Substância que altera o comportamento, humor e cognição. Age no Sistema Nervoso Central.

Atuação das substâncias psicoativas

Agem no cérebro

Modificam seu funcionamento

Alteram o humor

Alteram o comportamento

 

Tipos de uso de substâncias psicoativas:

Uso lícito – com prescrição médica

Uso ilegal – distribuição ilegal, uso inapropriado

Uso ilícito – distribuição banida pela OMS e pelas leis

 

ALCOOLISMO:

O álcool é a droga psicoativa mais utilizada pela humanidade, seus relatos e estudos são citados em vários trechos bíblicos onde fica clara a influência de aspectos psicológicos, morais e ambientais na situação do beber abusivo, bem como características da própria substância, que induz a aumento do consumo.

Com o advento da destilação e a Revolução Industrial aumentou a disponibilidade do álcool e seu consumo passou a ser mais freqüente e abusivo em contraste com a situação anterior em que o uso era predominantemente associado a rituais religiosos ou festivos.

O alcoolismo ou o “beber” abusivamente, do decorrer do tempo já foi considerado como: comportamento pecador e fraco, imoral; doença e atualmente de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) é classificada como síndrome de dependência.

 

SINDROME DE DEPENDÊNCIA (CID 10)

“Um conjunto de fenômenos fisiológicos ou comportamentais e cognitivos, no qual o uso de uma substância, ou de uma classe delas, alcança uma prioridade muito maior para determinado indivíduo que outros comportamentos que antes tinham maior valor. Uma característica descritiva central na síndrome de dependência é o desejo (freqüentemente forte, algumas vezes irresistível) de consumir drogas psicoativas. Pode haver evidência de que o retorno ao uso da substância, apôs um período de abstinência, leva a um reaparecimento mais rápido de outros aspectos da síndrome, do que ocorre com indivíduos não dependentes”.

 

RECAÍDA / LAPSO

Lapso: Lapso é um deslize que faz parte de um processo transicional, não é recaída.

Recaída: É a volta ao uso de álcool ou outras drogas do mesmo jeito que a pessoa usava antes de iniciar um programa de tratamento e recuperação.

Segundo Paulo Knapp, para a maioria das pessoas, é relativamente fácil mudar temporariamente qualquer comportamento indesejado; a manutenção dessa mudança, no entanto é tarefa bem mais complexa e difícil. Em relação ao uso do álcool, a dificuldade é semelhante: parar de beber não é o problema, o problema é manter-se em abstinência. A Dependência Química por sua própria natureza tem grande tendência a lapsos e recaídas.

 

Pobres daqueles que não têm paciência. Que ferimento já se curou a não ser gradualmente?

Vós sabeis que nós trabalhamos através do saber e não da feitiçaria. E o saber depende de tempo vagaroso”.

(Shakespeare, Othello. II,iii, 276)